palhacos.jpg

A Noite dos
Palhaços Mudos


Os Palhaços Mudos são seres que habitam a cidade e dedicam-se a praticar palhaçadas.

Existe uma Seita, no entanto, que os considera uma ameaça alarmante e os persegue, na tentativa de extingui-los.

Numa noite de caça a dois Palhaços, conseguem capturar apenas um e na tentativa de matá-lo, conseguem apenas arrancar seu nariz. O pobre mutilado escapa, e não conseguindo suportar a vergonha ele se desespera. Surge então o segundo Palhaço Mudo, que entende o que aconteceu e arrasta-o para um ousado resgate nasal.

Perseguições em meio às sombras misturam-se a truques de magia, números musicais e outros absurdos cômicos, para apresentar os conflitos entre intolerâncias contemporâneas e a lógica do palhaço, se é que ela existe.

A montagem agrega um olhar sobre os trabalhos anteriores do grupo e procura extrair, a partir desta observação, a relação do palhaço com a sociedade atual. Além disso, retoma a parceria do LaMínima com Laerte, iniciada com “Piratas do Tietê, O Filme”.

A partir da comicidade física, do absurdo e do humor sem palavras, “A Noite dos Palhaços Mudos” traz os conflitos entre as intolerâncias urbanas e o universo irreverente do palhaço, com base no argumento da HQ original, publicada em 1987 na Revista Circo, nº4. Tema recorrente da obra de Laerte, a relação entre o real e à fantasia transforma a trama num “policial noir” ou “clown noir”, tornando-a preciosa para a atuação dos atores.

O embate entre o conservadorismo  intolerante e o arquétipo do palhaço, envolve o espectador em sua plenitude. Em cena, os palhaços dão as cartas. Mas o público é quem joga.

Neste contexto, perseguições em meio às sombras de uma seita secreta, misturam-se a truques de magia, números musicais e referências contemporâneas, numa estética cênica de inspiração cinematográfica. Desde a música especialmente composta por Marcelo Pellegrini, passando pela iluminação de Wagner Freire, até os figurinos de Inês Sacay, a montagem traz simbolismos e sutilezas poéticas, que sustentam a comicidade sem o recurso da fala.

Nas palavras de Laerte: “É uma história simples, que contesta a falta de flexibilidade daqueles que não entendem a relatividade das culturas, algo que ainda é muito comum nos dias de hoje. Ao sofrerem uma perseguição implacável apenas pelo fato de existirem, os personagens remetem à própria natureza do palhaço, que precisa lidar com o rompimento dos tais valores absolutos para preservar sua própria essência.”

A montagem estreou em 2008, no Espaço Parlapatões e obteve quatro indicações ao Prêmio Shell e seis ao Prêmio Coca-cola FEMSA de Teatro. Além de receber o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro de MELHOR ELENCO,  Domingos Montagner e Fernando Sampaio dividiram o Prêmio SHELL de MELHOR ATOR em 2008.

Temporada

  • Temporada de Estréia de 01 a 29 de Maio / 2008 no Espaço Parlapatões - São Paulo. www.espaçoparlapatoes.com.br
  • 1ª Prorrogação da Temporada de 04 a 26 de Junho / 2008 no Espaço Parlapatões - São Paulo. www.espaçoparlapatoes.com.br
  • 2ª Prorrogação da Temporada de 02 a 24 de Junho / 2008 no Espaço Parlapatões - São Paulo. www.espaçoparlapatoes.com.br
  • Temporada : de 17 de setembro a 11 de dezembro / 2008 no Espaço Parlapatões – São Paulo. www.espaçoparlapatoes.com.br
  • Temporada 2009: de 11/07 a 30/08/2009 no Teatro Eva Herz (Livraria Cultura)
  • Temporada 2010: de 01/07 a 29/08/2009 no Teatro Cleyde Yáconis
  • Temporada 2011: de 15 a 18 de Dezembro no Teatro Poeira (RJ).

Principais Festivai

  • 33 apresentações de julho a dezembro/11 no projeto “Viagem Teatral” do SESI [SP/2011]
  • “Janeiro Brasileiro da Comédia - S. José do Rio Preto [SP/2011]
  • “Festival Mundial de Circo do Brasil”  [MG/2010]
  • “Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana” [MG/2010]
  • “FRINGE – Festival de Curitiba” [PR/2010]
  • “MOSTRA SESC CARIRI DE CULTURA” – [CE/2009]
  • “FIAC – FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTES CÊNICAS DA BAHIA – ANO 2” – [BA/2009]
  • “2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE DOURADOS” [MS/2009]
  • “FILO – Festival Internacional de Londrina” [PR / 2009]
  • “FESTCLOWN” Festival Internacional de Palhaços [Brasília, 2009/2006]
  • "VII FEVERESTIVAL - Festival Internacional de Teatro de Campinas [SP/2009]
  • “JANEIRO BRASILEIRO DA COMÉDIA - S. José do Rio Preto [SP/2009]
  • I Mostra de Artes Cênicas / MAMBERTI PRODUÇÕES – Praia Grande [SP – 2008]
  • XI FESTIVAL RECIFE DE TEATRO NACIONAL -  dias 24 e 25 de novembro / 2008
  • FESTIVAL BRASILEIRO DE ARTES CÊNICAS DO PARÁ -  dia 10 de novembro / 2008.
  • GOIÂNIA EM CENA – EDIÇÃO 2008 -  dias 03 e 04 de novembro / 2008
  • XV FENTEPP – Festival Nacional de Teatro de Presidente Prudente dia 19 de setembro / 2008

Indicações 2008

  • Eleito o 3º melhor espetáculo de 2008 pela crítica do GUIA DA FOLHA.
  • Melhor espetáculo de 2008, segundo a revista BRAVO.
  • 06 INDICAÇÕES PRÊMIO FEMSA DE TEATRO INFANTIL E JOVEM, PRIMEIRO SEMESTRE 2008
  • 04 INDICAÇÕES PRÊMIO SHELL DE TEATRO 2008

Prêmios

  • PRÊMIO SHELL 2008 de MELHOR ATOR para Domingos Montagner e Fernando Sampaio.
  • PRÊMIO COOPERATIVA PAULISTA DE TEATRO 2008 – “Melhor Espetáculo de sala convencional” e “Melhor Elenco”.
  • Edital PAC nº 8 montagem de espetáculo teatral inedito com “A NOITE DOS PALHAÇOS MUDOS”, Outubro – 2007
  • Prêmio Funarte para Teatro Myriam Muniz com “A NOITE DOS PALHAÇOS MUDOS”, Setembro – 2007

Gênero do espetáculo

Classificação Etária

Tema

Duração

História Original

Adaptação e roteiro

Colaboração

Direção e Preparação Mímica

Elenco

Ator Convidado

Iluminação

Figurinos

Cenografia

Adereços

Música Original

Assessoria técnica de Magia

Coreografia

Administração

Realização

COMÉDIA

10 - NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS.

INTOLERÂNCIA

60 MINUTOS

Laerte

La Mínima e Alvaro Assad

Paulo Rogério Lopes

Alvaro Assad

Domingos Montagner e Fernando Sampaio

Fábio Espósito

Wagner Freire

Inês Sacay

Domingos Montagner

Maria Cecilia Meyer

Marcelo Pellegrini

Volkane

Sergio Rocha

Luciana Lima

La Mínima

Espetáculos